Recilagem


No início da década de 90, o GAP iniciou um trabalho de sensibilização e conscientização dos moradores do Vale do Capão.

Mutirões de limpeza, construção de girais, palestras nas escolas e com visitantes, programa de rádios, teatro e panfletagem culminaram na separação de lixo no Capão, cuja coleta era feita pelo GAP com a contribuição voluntária da comunidade.

Em 2005 a coleta do lixo “seco” do Capão foi assumida pelo Prefeitura Municipal enquanto o GAP, junto com a comunidade, continuam alertas com os problemas do lixo.Em julho de 2008, o município de Palmeiras foi contemplado com oProjeto “Lixo Nosso de Todo Dia”, parceria IMA/GAP com o governo do estado, o qual realizará a separação do lixo na sede do município com educação ambiental, coleta, e uma posterior cooperativa de catedores gerando assim mais uma fonte de renda para este setor. Devido ao atraso do repasse de recurso (27 de setembro de 2008), o projeto encontra-se na primeira fase. Também será feito educação ambiental no distrito do Vale do Capão (onde tudo começou) e no povoado de Campos de São João, povoados que já separam lixo seco do lixo úmido.

Incontáveis mutirões de limpeza do rio e corregos foram realizados pelo GAP nestes 12 anos de existência. O GAP fez parte do diagnóstico do lixo no município junto ao CRA, para determinar o modelo ideal do aterro sanitário que será implementado no município de Palmeiras. O GAP faz parte atualmente da comisão gestora de resíduos sólidos do município de Palmeiras a qual é composta por integrantes do CRA, CONDER, Ministério Público, Prefeitura Municipal de Palmeiras, Câmara de Vereadores, GAP e APEAC.

Em 2011 o GAP passou a receber apoio do Instituto Brasil Solidário, que hoje representa um de seus principais parceiros.

0 comentários:

Postar um comentário